Simone Silvério Fotografia | A minha participação no projeto Retratos de Mãe

A minha participação no projeto Retratos de Mãe

June 05, 2018  •  Leave a Comment

Hoje venho fazer um convite para meus amigos de São Paulo. Na próxima terça-feira, dia 12 de junho, estarei recebendo, na minha galeria, a Studio Trend, um trabalho lindo do qual me orgulho muito em fazer parte. É a Exposição Retratos de Mãe, da fotógrafa e amiga Andréa Leal, com curadoria minha. No dia 12 vai ser a vernissage com um coquetel para a qual estão todos os meus leitores convidados e, de 13 de junho a 13 de julho, a mostra gratuita estará aberta de segunda a sexta, das 9h às 18h.  Uma  exposição belíssima que retrata as personagens reais dos artigos da jornalista pernambucana Sílvia Bessa, que também tive a alegria de conhecer. Super premiada, Sílvia que antes escrevia sobre política e dramas sociais, voltou seu olhar para mães e mulheres depois da gestação da primeira filha, nascida com uma síndrome rara e que viveu 111 dias. São 18 mulheres com histórias de vida marcantes, que a Andréa fotografou lindamente.

Tive a honra de participar de todo o processo. Foram dois dias no Recife de intenso trabalho e emoção mais forte ainda. Ouvimos, uma após uma, as histórias de cada uma delas e você, na exposição, também vai poder reviver esses momentos e se emocionar junto com a gente. Um aplicativo de realidade aumentada baixado no celular vai exibir, diante de cada retrato, um vídeo da própria personagem contando sua trajetória, como fez pra gente, no estúdio da Andréa. Tenho certeza de que você vai amar e, como eu, vai crescer muito com todas elas.

Me emocionei demais ouvindo todas as histórias, me conectei, me relacionei com muitas delas. Claro que, na maior parte das vezes, numa escala muito menor. Mas, só de lembrar começo a chorar de novo. Porque as pessoas passam por coisas às vezes tão difíceis na vida que a gente, olhando de longe, pensa: "Nossa, eu jamais conseguiria..." Mas, provavelmente, elas também falariam isso antes e na hora que acontece com você, não sei se Deus (eu ouvi muito a palavra Deus lá), mas você encontra a força necessária para passar pelas coisas e fazer o melhor delas. Eu acho que isso foi muito forte em tudo o que a gente viu ali. As pessoas tirando o melhor das situações adversas que a vida colocou, escolhendo o caminho pra suas vidas. 

Isso me toca muito. Eu gosto muito disso, eu gosto de ouvir, de me colocar no lugar da pessoa... Eu gostei demais de acompanhar o processo porque, ao ouvir as histórias, a personalidade da pessoa, conversando, a Andrea se aproveitou disso para buscar a pose, o momento, o olhar, a expressão que dissesse alguma coisa relativa ao que ela estava ouvindo, que traduzisse aquele sentimento. Mas, para conseguir essa uma foto, ela tirou várias e várias fotos da mesma pessoa. Só que, na hora que eu fui olhar o conjunto da sessão daquela pessoa, eu sabia exatamente o que procurar, porque eu tinha ouvido a  mesma coisa, eu sabia o que ela estava buscando quando clicava. 
 

Então, pra mim, foi muito gostoso. Porque a gente acabava uma sessão, eu pegava aquele material e ia direitinho na foto. Eu sabia onde ela tinha conseguido obter aquele olhar. Foi um trabalho muito em conjunto com a Andréa, de traduzir isso na escolha das fotos. Pra mim, foi quase que uma sequência daquilo que a gente estava fazendo no estúdio. Claro que levei também para ali o meu olhar mais técnico da fotografia, do foco ideal, do enquadramento ideal. Eu fiz algumas intervenções, porque às vezes a foto que tinha a melhor expressão e o momento ideal não estava tecnicamente melhor. Eu levei a técnica em consideração mas, no final, o que manda é a emoção, é o momento, é a expressão da pessoa.

Eu levei em conta também a unidade do conjunto da exposição. Porque cada foto tinha que se relacionar diretamente com a história daquela personagem, com a vida daquela pessoa. As histórias eram distintas, assuntos muitos diversos e os retratos que contam histórias tão distintas, ao mesmo tempo, precisavam de uma coesão, de uma ideia de conjunto, para serem expostos como uma obra única. Então, eu também me preocupei qual retrato seria colorido e qual seria em preto e branco, não só do ponto de vista estético, mas também do que aquilo representava com cada emoção vivida ali. Pensei muito em quantas fotografias seriam horizontais, quantas verticais, se deveria colocar na exposição as fotos em que elas aparecem sozinhas ou com outros personagens que faziam parte da história...


Não foi um trabalho exatamente de curadoria de arte, no sentido estrito da palavra, no que isso representa no mercado de arte: de fazer um recorte no trabalho do artista. Eu acho que foi mais a construção de uma exposição, mas foi um trabalho de construção juntas. Eu estava lá, vivendo todo o processo junto, vendo o que a Andréa estava buscando e acho que ajudei a Andréa a levar para a exposição esse conjunto da obra, que ficou incrível!
 

E é claro, que tendo uma câmera por perto não consigo deixar de fazer meus próprios cliques, só porque sou muito apaixonada por isso...

Um convite à emoção, ao encontro com nossas vivências através das histórias de mulheres marcantes, que souberam dar novo significado a suas trajetórias de vida com muita coragem, ternura e amor. Um convite que eu faço a você. Espero seu olhar, sua emoção, sua visita.

Exposição Retratos de Mãe
De 13 de junho a 13 de julho de 2018

Vernissage dia 12/06 das 18:00 às 23:00h


Galeria Studio Trend, Rua Costa Carvalho, 213, bairro Alto de Pinheiros, São Paulo.


Um abraço, 
Simone Silvério


Comments

No comments posted.
Loading...