As paixões tatuadas na pele

May 29, 2018  •  Leave a Comment

"Ter um filho é como fazer uma tatuagem na testa". Essa frase, tantas vezes ouvida e de autoria desconhecida, traz uma verdade incontestável. Tatuei cada um dos meus quatro filhos na minha vida e, certamente, quando me olho no espelho vejo cada um deles. Eles estão em mim e isso é para sempre, sem volta, sem "mas". Pra mim, as tatuagens artísticas que fiz na pele também refletem o amor por minhas escolhas, pelo que sou, pela minha arte, minhas crenças, minha profissão. 


Minha primeira tatuagem marcou um momento de mudança na minha vida e serviu pra me mostrar o quanto sou capaz de mudar. Passei a minha vida inteira detestando tatuagem. Dizia que jamais faria, que jamais deixaria um filho meu fazer. Eu era formada em administração de empresas com MBA pela FIA-USP, trabalhava em banco, atuava há 15 anos no mercado financeiro internacional tinha um perfil mais de executiva, tudo muito certinho. Depois que tive minha terceira filha, a Alê, entrei na faculdade de arquitetura, fui retomar as minhas paixões, quis fazer USP, fui para a FAU, tive a quarta filha, comecei a mexer com essa coisa de arte mesmo. Pra mim foi uma fase de renovação total:  ter tido filhos pequenos de novo quase com 40 anos, voltado pra faculdade, ter mudado de profissão radicalmente, começado a conviver mais com esse universo das artes, da fotografia. Eu levava as meninas na praia e  tinha um rapaz que fazia tatuagem de henna. Ele fazia uns desenhos super bonitos e cada semana eu pedia pra ele fazer um desenho diferente e ficava me acostumando. Quando fiz 40 anos, eu já estava em outra. Já estava adorando tatuagem e falei: vou fazer uma tatuagem! Sempre gostei desses desenhos de arabescos e fiz um desenho em arabesco preto, que não chega a ser tribal, é mais curvo e mais redondo. Fiz na base das costas. Eu gostei tanto! Mas ela ficou num lugar que praticamente nunca vejo e resolvi fazer outra num local que eu visse mais. E comecei a cultivar a ideia de fazer outra tatuagem.

Essa primeira tatuagem era só um desenho, um traço que achava bonito e não tinha nenhum significado. Eu queria algo com significado pra mim. Fiquei anos escolhendo. Eu queria que fosse "A" tatuagem da vida, que representasse meus filhos meu marido. Fiz um milhão de rascunhos, achei a Tati, uma tatuadora em Santos, foi super difícil, marquei, desmarquei. Aí minha filha foi fazer uma tatuagem e me chamou para ir com ela. Não era ninguém que eu tivesse escolhido, mas na hora me bateu uma vontade de fazer e eu pensei: vou fazer uma câmera pequeninha no pulso, num lugar que aparece quando estou fotografando. E, depois de pensar tanto, eu fiz de bate pronto. Essa tatuagem tem uns cinco anos, talvez. Eu adorei porque tinha tudo a  ver com comigo, com minha profissão. Eu me redescobri na fotografia e isso mudou toda a minha vida. Esse reencontro com meus dons, com a realização pessoal e profissional, foi marcada por esta tatuagem. 

Mas eu continuei querendo muito fazer uma tatuagem que representasse meu filhos, os grandes amores da minha vida. Ai foram mais quatro anos, pensado, desenhando, tento ideias e para eu consegui marcar com a tal tatuadora de Santos. Eu queria um filtro dos sonhos e que no aro do filtro tivesse as letras dos nomes dos meus quatro filhos e depois, pendurados no filtro dos sonhos, eu queria a minhas paixões: o cachorro, o símbolo da paz, a câmera. Essa tatuadora foi incrível! Cheguei lá e ela tinha feito esse desenho. A teia do filtros dos sonhos forma uma árvore da vida, tem os seis coraçõezinhos, os nomes dos meus filhos... Eu amei e fiz a minha tatuagem e isso foi no Dia das Mães do no passado.

Quando estava procurando um logotipo para o meu negócio de fotografia de recém nascidos, eu não queria referencia tão óbvia. Uma amiga sugeriu o filtro dos sonhos porque tinha a minha cara. Ela sabia que eu gostava, eu tinha um que pendurava na orelha... E fui pesquisar. Os primeiros filtros dos sonhos surgiram na tribo dos Ojibwa, que habitavam a região dos grandes lagos da América do Norte. Eles acreditavam que uma das principais missões das pessoas durante a vida era a de decifrar os sonhos. Para eles, os sonhos traziam mensagens importantes sobre o funcionamento da natureza, do universo e da vida. Os Ojibwa acreditavam que, durante a noite, o ar se enchia de sonhos e energias, boas e más. Apenas os sonhos bons, que traziam mensagens importantes, conseguiriam passar pela teia tecida no círculo instalado no centro do filtro. Já todas as energias negativas ficariam presas nos fios da teia. Mas a explicação que mais me chamou a atenção é que quando nascia um bebê a mulher mais velha da tribo tecia um filtro dos sonhos para colocar em cima do berço para proteger o sono do bebê, mandar energias boas, para ele ter bons sonhos. Quando li essa coisa e isso bateu em mim. É isso que eu faço! Eu fotografo, mas pra isso eu preciso fazer o bebê dormir! E ai fizemos o logotipo que é o mesmo meu, do meu marido Jaiel Prado, do nosso estúdio e agora da nossa galeria. A gente usa esse logotipo pra tudo. Mudamos apenas os nomes. Esse filtro tem a rede com o olho grego no meio, como uma referência ao olhar do fotógrafo, e pendurado tem um filtro menor com o desenho do diafragma, que é e abertura da lente da câmera.  Ainda vou tatuar esse desenho tão cheio de significado em mim!


Na semana passada, foi a hora de renovar uma de minhas tattoos. O tempo passa e com ele, minha tatuagem da câmera foi ficando menos nítida, mas o colorido que a fotografia trouxe à minha vida está mais forte que nunca. Essa tatuagem da câmera foi feita de impulso. Não tinha escolhido um desenho especial nem um tatuador que tivesse um traço fino que eu gosto, nada disso. E já fazia um tempo que estava me incomodando: o traço que já era não era muito fino, se espalhou na pele, uma parte pontilhada se juntou e parecia fora de foco. Encontrei uma amiga que me indicou a Carla. Fui saber sobre ela e a primeira coisa que vi é que ela também fazia reforma. Ela fez exatamente o eu queria: dar nitidez de novo ao desenho. E eu fiquei pensado que queria incluir mais alguma coisa. Ela tinha sugerido flores. Sou apaixonada pela flor de cerejeira, a sakura. Essa flor tem um significado das coisas serem efêmeras, porque tem uma única floração por ano e dura só uma semana. Eu já vi, é lindíssima! A flor de cerejeira traz esse significado da efemeridade da vida, das coisas especiais passarem muito rápido e, junto com a câmera, que eterniza esses momentos, traz esse paradoxo entre o efêmero e o eterno. Ficou linda! Amei ! Me senti renovando em mim mesma essa paixão, esse desejo de que a fotografia faça parte de mim pra sempre e que me torne uma pessoa cada vez melhor, mais feliz, mais criativa, com o olhar ainda mais aguçado para enxergar e fazer os outros enxergarem a importância de viver e reviver os momentos especiais. 

Como todo esse universo se comunica com a fotografia ! Para mim, a fotografia é essa realização de um sonho bom, é essa mensagem boa que levamos para o futuro, eternizando momentos mágicos, cercados de bons fluidos, de amor, de proteção. A relação com a luz também fala muito dessa arte, que filtra e revela o que é belo, o que é forte, o que é marcante. Que o todos esses sentimentos estejam marcados na nossa vida, feito tatuagem. 


Ah! Para o xamanismo, o filtro dos sonhos também serve como uma mandala para inspirar a criatividade, a imaginação e ajudar a transformar todos os sonhos e objetivos em realidade. Por falar nisso, a próxima tatuagem será uma mandala no ombro. Essa fica pra próxima. E eu prometo contar tudinho.


 

Um abraço, 
Simone Silvério

 

Obs. se alguém se interessar pelo trabalho da Carla Galvão (que fez a reforma da câmera) ou pela Tatiana Alves (que fez o filtro dos sonhos) segue aqui o perfil delas no Instagram:
https://www.instagram.com/carlagalvaotattoo

https://www.instagram.com/tatianaalves


Comments

No comments posted.
Loading...
Subscribe
RSS
Archive
January February March (4) April (2) May (1) June July August September October November December
January February March April May June July August September October November December
January February March April May (5) June (2) July August September October November December